Sistema de esgotamento sanitário chega em nova etapa

Com conclusão da instalação do sistema, inicia etapa de coleta pública e tratamento do esgoto
13/05/2019

RIO NEGRINHO

A partir de junho deste ano na fatura de água, passará a ser feita a cobrança pela coleta e tratamento de esgoto das residências e comércios onde há rede de coleta em funcionamento. A medida visa atender às exigências legais para custear o trabalho desenvolvido pelo Samae  de Rio Negrinho e a taxa será equivalente a 80% da tarifa da água.

Para explicar como funciona a cobrança da taxa de coleta e tratamento de esgoto, a equipe técnica do Samae realizou na ultima sexta-feira, uma reunião envolvendo os secretários municipais e vereadores do município, onde, todos os aspectos técnicos e financeiros foram apresentados aos participantes.

Atualmente, Rio Negrinho conta com rede de coleta de esgoto em 94% das ruas da sede do município, que exigiram investimentos na ordem de R$ 53 milhões entre 1982 e 2019. “O percentual de cobertura coloca Rio Negrinho em destaque estadual e nacional, e representa um grande investimento na melhora da qualidade de vida da nossa população”, frisou o diretor-presidente do Samae, Gilson José Reckziegel.

Em termos de valor, para quem paga R$ 31,54 de conta de água, passará a pagar R$ 56,77 já com a tarifa disponibilidade de coleta e tratamento de esgoto. A medida segue o Decreto Municipal 4.581, de 1996, que estabelece em 80% do valor do consumo da água, e se não for cobrado pelo órgão regulador, pode acarretar em renúncia de receita e condenação dos gestores públicos. “A maioria das cidades cobra mais de 100% em cima da água, pois o tratamento de esgoto é mais caro do que o de água, além de contribuir para o equilíbrio do meio ambiente e prevenir doenças de veiculação hídrica”, explica Gilson.

A rede de coleta de esgoto envia os dejetos para a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), onde ele passa por diversos processos físico-químicos e biológicos que removem até 95% das impurezas. Já quando ela é irregular, como no caso de fossas sépticas, os efluentes domésticos acabam em córregos, rios, lagoas e nos lençóis freáticos, de onde muitas vezes é coletada a água para abastecimento público.

Operação do sistema de esgoto

A operação do sistema de coleta e tratamento de esgotos será feita pela empresa RioVivo, de Brusque, vencedora do processo licitatório para operação do sistema pelos próximos 12 meses. De acordo com Gilson, a contratação leva em consideração a falta de efetivo técnico e equipamentos por parte do Samae para atender a demanda pontual  dos serviços. “Muitos dos serviços prestados já são terceirizados, o que faremos agora é gerenciar isso através de uma empresa só. Assim o Samae poderá trabalhar focado no abastecimento de água, fazendo novas ligações, ampliações da rede, entre outros. Já a questão do esgoto ficará a cargo da empresa”, explica ele.

Sistema em números

- 8 sistemas tipo fossa e filtro

- 1 Grande estação de tratamento (Vista Alegre)

- 1 estação de tratamento no São Pedro

- 23 Estações elevatórias de esgoto

- 162.575 quilômetros de rede coletora de esgoto

- 8.034 ramais de ligação implantados

- 2.898 ligações efetivadas

- 1.550 ligações registradas

 

Autor(a): Assessoria