Audiência Pública discutiu projeto turístico

Câmara esteve lotada para debater empréstimo
05/12/2018

O Plenário, o hall e as imediações da Câmara de Vereadores de Rio Negrinho estiveram lotados ontem (4) a noite para a discussão do projeto de autoria do Poder Executivo que pretende construir benfeitorias e implementar iniciativas que fomentem o turismo na cidade. Porém, para que isso se concretize, se faz necessária a obtenção de um empréstimo de quase R$ 4 milhões pela Prefeitura, o que gerou uma intensa polêmica nos últimos meses. O prefeito Julio Ronconi (PSB), o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Leandro Liberato dos Santos, e o turismólogo do Município, Nicolas Nering, apresentaram os detalhes do projeto.

 

Na abertura, o secretário agradeceu a massiva presença da população e disse que esperava que as ações a partir dali tomadas fossem ao encontro dos anseios da comunidade. Já o turismólogo apresentou o Regimento Interno da Audiência Pública. Então, o prefeito iniciou sua explanação. “Foram várias entidades consultadas não só de Rio Negrinho para formular este plano, que destacaram o potencial turístico da cidade”, explicou o gestor, que, em seguida, e em diversas outras ocasiões, deixou claro que o dinheiro em questão é exclusivo para esta finalidade, ou seja, não pode ser adquirido para aplicação em outro empreendimento que não de natureza turística. “Graças ao ‘Selo Brasil + Turismo’ que Rio Negrinho e as empresas privadas podem pegar esse dinheiro”, afirmou.

 

Para ressaltar a finalidade de captação de investimentos à cidade que seu projeto tem, Ronconi fez comparativos com outras cidades, como Gramado-RS, que a partir de seu Natal Luz conquistou outros atrativos e recursos. “Copiar as cidades que deram certo para também conseguir bons resultados. Gramado é exemplo recebendo quase 2 milhões de turistas graças a estes investimentos”, frisou. Para responder também comentários que pedem a captação de novas empresas na cidade para gerar empregos, o prefeito lembrou que o turismo é uma fonte de novos postos de trabalhos, a partir de hotéis e outros negócios que abrem pelo movimento de visitantes. “O ISS [Imposto Sobre Serviços] é imposto que fica. Tudo que é gasto no hotel, fica no município”, observou.

 

Opiniões divididas

A partir daí a tribuna foi aberta aos espectadores inscritos previamente, quando se mostrou um pouco do que se observa nas ruas: Opiniões divididas. Enquanto alguns cidadãos enalteceram os pontos positivos e, até mesmo, sugeriram mudanças no projeto como contribuição, outros martelaram a questão do endividamento público pelos possíveis cerca de R$ 4 milhões a serem captados. Após todas as expressões de contentamento e descontentamento com a realização, Ronconi novamente fez uso da palavra. E foi enfático. “Fala-se muito sobre o turismo mas não se faz um projeto para isso [...] Não adianta ter turismo e não ter onde o turista buscar informações. Não adianta não ter locais para ele visitar”, disse.   

 

Plateia

Ao final dos discursos e da resposta do chefe do Executivo aos questionamentos, Julio Ronconi fez uma votação informal, pedindo que quem não fosse a favor do projeto se levantasse. Com o clima já esquentando na Plateia, que era formada em grande parte por grupos de situação e oposição ao governo, muitos optaram por deixar o Plenário, encerrando, assim, a Audiência. Alguns vereadores e populares sugeriram uma nova consulta popular antes da votação do projeto, porém, isto não ficou definido na ocasião e o projeto pode até mesmo sofrer novas mudanças, já que o prefeito afirmou que consideraria as observações levantadas ali.

 

INVESTIMENTOS

- Resgate da Identidade local do Artesanato -  R$ 37 mil

- Impressão de mapas turísticos, produção de guias, sacolas, conteúdos digitais e vídeos – R$ 100 mil

- Sinalização Turística Urbana R$ 150 mil

- Sinalização Turística Rural R$ 53 mil

- Reforma e Modernização do Ginásio e Centro de Eventos José Brüsky Junior e entorno – R$ 1,4 milhão

- Pavimentação da rua Henrique da Silva – R$ 553 mil

- Portal dos Móveis na entrada da Cidade – R$ 835 mil

- Reforma e Revitalização do Pavilhão dos Imigrantes – R$ 700 mil

Valor total da operação R$3.846.000